Marcadores

domingo, 22 de abril de 2018

Peixe Boca de Jacaré

Para conhecer um parente, clique aqui.
Imagem retirada da Internet
Classificação:
Filo: Cordados
Classe: Osteichthyes
Ordem: Lepisosteiformes
Família: Lepisosteidae
Gênero: Lepisosteus
Espécie: Lepisosteus osseus

Também conhecido como gar, este peixe é encontrado nos Estados Unidos, Canadá e México. Seu habitat são os rios, lagos e estuários.
Vive em águas com pouco oxigênio. Muitas vezes, suprime esse problema respirando oxigênio do ar.
Alimenta-se de peixes, crustáceos e insetos. Seus hábitos são predominantemente noturnos. Seu corpo é recoberto por escamas duras.
A reprodução ocorre na primavera e no verão. Cada fêmea põe de 4 mil a 70 mil ovos por temporada. Os machos se aproximam das fêmeas e fertilizam os ovos. As larvas nascem 3 a 9 dias após a fertilização dos ovos. Após nascerem, em pouco tempo, já começam a procurar alimentos sozinhos.
Tornam-se adultos com 3 a 6 anos de idade. A expectativa de vida é de cerca de 22 anos.
O peixe boca de jacaré é considerado prejudicial à pesca comercial. Não está ameaçado de extinção.

sábado, 21 de abril de 2018

Morcego Branco de Honduras

Imagem retirada da Internet

Classificação:
Filo: Cordados
Classe: Mamíferos
Ordem: Chiroptera
Família: Phyllostomidae
Gênero: Ectophylla 
Espécie: Ectophylla alba

Apesar do nome, esta espécie de morcego não é encontrada apenas em Honduras, mas também na Costa Rica, Panamá e Nicarágua. Seu habitat são as florestas tropicais úmidas.
Vive em pequenos grupos constituídos de um macho e até 5 fêmeas. Durante o dia, refugia-se no interior de folhas de árvores. Sai à noite para se alimentar de frutas.
A reprodução ocorre de maio a agosto, durante a estação chuvosa. Um macho acasala com várias fêmeas A gestação dura cerca de 3 semanas. Cada fêmea dá à luz a apenas um filhote. Aos 35 dias de vida os filhotes já voam e são independentes. A expectativa de vida é desconhecida.
O morcego branco de Honduras não está ameaçado de extinção. 

quinta-feira, 19 de abril de 2018

Cobra Corre-campo

Para conhecer um parente do animal de hoje próximo, clique aqui.
Foto tirada no Instituto Butantan.

Classificação:
Filo: Cordados
Classe: Répteis
Ordem: Squamata
Família: Colubridae
Gênero: Philodryas 
Espécie: Philodryas nattereri

Também conhecida como cobra tabuleiro, esta serpente é encontrada na caatinga e outras regiões semiáridas do Brasil.
É um animal diurno. Por muito tempo acreditou-se que fosse um animal exclusivamente terrestre, mas descobriu-se que pode deslocar-se com desenvoltura nas árvores. Alimenta-se de pequenos mamíferos, aves e anfíbios.
A fêmea é maior que o macho. Pode reproduzir-se durante todo o ano. Põe de 4 a 21 ovos por ninhada.
A cobra corre-campo está em declínio pela intervenção humana. A introdução de animais domésticos e atropelamentos são as causas principais da diminuição de sua população.

terça-feira, 17 de abril de 2018

Moreia da Califórnia

Para conhecer um parente próximo, clique aqui.


Classificação:
Filo: Cordados
Classe: Osteichthyes
Ordem: Anguilliformes
Família: Muraenidae
Gênero: Gymnothorax
Espécie: Gymnothorax mordax

A moreia da Califórnia é endêmica dos Estados Unidos. Seu habitat são os recifes de coral.
Possui o corpo comprido. Sua aparência lembra uma cobra. É um animal noturno. Vive no interior de fendas nas rochas. Sai apenas para procurar alimento. É um peixe predador. Possui um excelente olfato. Alimenta-se pequenos peixes, crustáceos, ouriços do mar e moluscos.
Pouco se sabe sobre sua reprodução. A fertilização é externa. Dos ovos postos pelas fêmeas nascem larvas planctônicas. 
Em algumas localidades, a moreia da Califórnia é consumida como alimento. Não está ameaçada de extinção.

sábado, 14 de abril de 2018

Perereca de Alcatrazes

Apresentando o resultado da enquete para decidir o centésimo anfíbio do blog. Foram 7 votos no total. O tritão palmado não recebeu nenhum voto. O tritão alpino recebeu um voto. A salamandra de barriga vermelha recebeu dois votos. O grande vencedor que recebeu quatro votos e será o centésimo anfíbio do blog, numa postagem especial será o tritão listrado.
Foto tirada no Zoológico de São Paulo.
Classificação:
Filo: Cordados
Classe: Anfíbios
Ordem: Anura
Família: Hylidae
Gênero: Scinax
Espécie: Scinax alcatraz

A perereca de Alcatrazes é endêmica do Brasil. Seu habitat são as florestas secundárias.
É um anfíbio essencialmente arborícola, encontrado  apenas na ilha de Alcatrazes, no estado de São Paulo. Normalmente, é encontrada no interior das bromélias. Alimenta-se basicamente de pequenos insetos. As fêmeas são maiores que os machos.
Utiliza as bromélias para a reprodução. Acredita-se que é a fêmea que escolhe o macho para a reprodução. Os ovos são postos no interior da bromélia e lá se desenvolvem até a vida adulta.
A perereca de Alcatrazes está criticamente ameaçada de extinção devido à destruição de seu habitat.

sexta-feira, 13 de abril de 2018

Panulirus interruptus

O nome em inglês do animal de hoje é "California spiny lobster", o que significa "lagosta espinhosa da Califórnia", em tradução livre.

Imagem retirada da Internet
Classificação:
Filo: Artrópodes
Classe: Malacostraca
Ordem: Decapoda
Família: Palinuridae
Gênero: Panulirus
Espécie: Panulirus interruptus

Esta espécie de lagosta é encontrada no México e nos Estados Unidos. Seu habitat é o litoral e as florestas de algas.
É um animal noturno. Durante o dia, a lagosta Panulirus interruptus fica encondida em fendas nas rochas ou buracos. Isso geralmente evita ataque de predadores. Alimenta-se detritos, animais mortos, algas, pequenos peixes, vermes marinhos, crustáceos e outros invertebrados marinhos.
A reprodução ocorre de março a agosto. A fertilização é externa.  Cada fêmea põe de 50 mil a 800 mil ovos. Os ovos são incubados no abdômen da fêmea. Posteriormente os ovos tornam-se larvas, que se tornam adultas por volta dos 5 a 8 anos de idade. A expectativa de vida é de 11 a 30 anos.
A lagosta Panulirus interruptus é importante na pesca comercial. Não está ameaçada de extinção.

terça-feira, 10 de abril de 2018

Pavó

Foto tirada no Zoológico de São Paulo.


Classificação:
Filo: Cordados
Classe: Aves
Ordem: Passeriformes
Família: Cotingidae
Gênero: Pyroderus
Espécie: Pyroderus scutatus

Também conhecido como pavão do mato, o pavó é encontrado na Guiana, Venezuela, Colômbia, Peru, Equador, Paraguai, Argentina e Brasil. Seu habitat são as florestas.
É uma ave solitária. Normalmente, frequenta o estrato mais alto da mata. Alimenta-se basicamente de frutos, mas também come insetos.
Durante o período reprodutivo, forma grupos de machos, de até 10 indivíduos. Estes machos cantam e se exibem para as fêmeas. Faz um ninho utilizando-se de gravetos. Põe até dois ovos.
Sofreu algumas baixas em sua população devido ao desmatamento, mas ainda não está ameaçado de extinção.