Marcadores

sexta-feira, 3 de julho de 2015

Rinoceronte Branco

Créditos da foto à amiga Arlécia Rios.



Classificação:
Filo: Cordados
Classe: Mamíferos
Ordem: Perissodactyla
Família: Rhinocerotidae
Gênero: Ceratotherium
 Espécie:  Ceratotherium simum

O rinoceronte branco é encontrado na África, mais precisamente em Angola, Zâmbia, Moçambique, Zimbábue, Botswana e África do Sul. Seu habitat são as savanas e florestas. Ocasionalmente é encontrado em pântanos e regiões alagadas.
Vive em pequenos grupos e alimenta-se principalmente de gramíneas. É menos agressivo, em comparação aos seus “primos”.
O rinoceronte branco torna-se adulto por volta dos 6 anos de idade. A reprodução normalmente ocorre no verão e no outono. Durante a corte, o casal vocaliza, dá “pancadas” e encosta o chifre um no outro. Após o acasalamento, a fêmea afasta-se do macho. A gestação é de cerca de 515 dias. A mãe dá a luz a apenas um filhote por mês. O filhote é cuidado pela mãe por cerca de 3 anos. A longevidade é de aproximadamente 50 anos.
Infelizmente, o rinoceronte branco está ameaçado de extinção devido à caça ilegal. Seu chifre vale muito dinheiro no “Mercado Negro”.  A medicina oriental tradicional acredita que o chifre tenha poderes terapêuticos.

Curiosidades:
  • O chifre do rinoceronte não é realmente um chifre, mas uma massa de pelos queratinizados rígidos. Sua constituição é semelhante ao cabelo humano.
  • O rinoceronte branco não é branco, mas apenas um pouco mais claro que o rinoceronte negro. Chamá-lo de “branco” foi um mal entendido causado pelos ingleses. Quando estes chegaram à África, escutam  dos nativos a palavra “widje”, que significa "largo". “Widje” teria pronúncia semelhante a “white”, que significa branco, em inglês.

quinta-feira, 25 de junho de 2015

Náutilo

Imagem retirada de "O Mundo dos Animais", Editora Nova Cultural

Classificação:
Filo: Moluscos
Classe: Cephalopoda
Ordem: Nautilida
Família: Nautilidae
Gênero: Nautilus
Espécie: Nautilus pompilis

Este molusco marinho é encontrado no Oceano Pacífico. Vive próximo à costa. É encontrado em profundidades de 500 metros. Seu habitat são os recifes de coral.
Seu corpo é internamente uma espiral.  O animal se utiliza de gás para controlar sua flutuação. Usa seus musculosos tentáculos para nadar.
Seus olhos não contém córnea ou cristalino. Portanto, só percebe as variações de luz. Utiliza seu olfato apurado para encontrar suas presas, que incluem pequenos peixes e crustáceos. Também come carniça.
O náutilo torna-se adulto por volta dos 15 anos de idade. O macho fertiliza a fêmea inserindo seu esperma no interior dela utilizando-se dos tentáculos. A fêmea põe ovos, que dão origem a pequenos filhotes semelhantes aos adultos.

Curiosidades:

quinta-feira, 18 de junho de 2015

Marta de Nilgiri

Esta é a última postagem da série "Martas com Estilo". Espero que tenham gostado!
Imagem retirada da Internet
Classificação:
Filo: Cordados
Classe: Mamíferos
Ordem: Carnivora
Família: Mustelidae
Gênero: Martes
Espécie: Martes gwatkinsii

Esta espécie de marta é endêmica da  Índia. Seu habitat são as florestas tropicais chuvosas e pântanos. Também é encontrada em áreas cultivadas.
Tem hábitos diurnos. Sendo uma excelente escaladora, sobe facilmente em árvores. Além disso, é um animal social. Muitas vezes, é vista caçando em grupo. Isso é muito útil para capturar presas grandes. É onívora. Alimenta-se de frutas, mamíferos e aves, insetos e répteis. Consome também néctar de flores.
Pouco se sabe sobre seus hábitos reprodutivos. A gestação dura de 220 a 290 dias. A longevidade é de 14 anos.
A marta de Nilgiri é utilizada como alimento em algumas partes da Índia. Infelizmente, está ameaçada de extinção

quarta-feira, 17 de junho de 2015

Marta de Garganta Amarela

Mais uma postagem da série "Martas com Estilo".

Imagem retirada de "O Mundo dos Animais", Editora Nova Cultural

Classificação:
Filo: Cordados
Classe: Mamíferos
Ordem: Carnivora
Família: Mustelidae
Gênero: Martes
Espécie: Martes flavigula

A marta de garganta amarela é encontrada nas regiões florestais do sul e leste da Ásia.
É ativa predominantemente durante o dia. Ao contrário de seus parentes,  não é solitária, mas normalmente é vista em grupos de dois ou três indivíduos. É um animal onívoro.  É tipicamente terrestre, mas capaz de subir em árvores com desenvoltura. Alimenta-se de pequenos mamíferos e aves, insetos, nozes e frutas. Ao contrário das outras espécies de marta, não come carniça. Algumas vezes, caça em grupo mamíferos de médio porte.
A reprodução ocorre entre fevereiro e março ou entre junho e agosto. Os machos lutam pelo direito de acasalar com uma fêmea. A gestação dura cerca de 220 a 280 dias. A fêmea dá a luz de 2 a  5 filhotes por vez. Sua  longevidade em liberdade não é conhecida, mas pode viver até 16 anos em cativeiro. 
Ao contrário das outras espécies de marta, pele da marta de garganta amarela não é considerada valiosa. Mesmo assim, é protegida por lei contra caça ilegal. 

terça-feira, 16 de junho de 2015

Marta Pescadora

Mais uma postagem da série "Martas com Estilo"...

Imagem retirada de "O Mundo dos Animais", Editora Nova Cultural

Classificação:
Filo: Cordados
Classe: Mamíferos
Ordem: Carnivora
Família: Mustelidae
Gênero: Martes
Espécie: Martes pennanti

A marta pescadora é endêmica dos Estados Unidos. Seu habitat são as florestas de coníferas.
É ativa durante o dia e à noite. É uma excelente escaladora e sobe em árvores com desenvoltura. Também é uma excelente nadadora. É um animal onívoro. Alimenta-se de frutas, pequenos mamíferos e aves. É conhecida por caçar porcos-espinhos. Defende-se dos espinhos com eficiência.
A reprodução ocorre do final do inverno ao início da primavera. Porém, a fêmea realmente fica prenha apenas 10 meses depois. A gestação dura cerca de 11 meses. A fêmea dá a luz de 1 a 6 filhotes. As crias tornam-se adultas com cerca de um ano de idade. A longevidade é 10 anos.
A marta pescadora já foi muito caçada por causa de sua pele. Hoje em dia, é protegida por lei, o que tornou sua população estável.

Curiosidades:

  • Apesar do nome, a marta pescadora não se alimenta de peixes. É provável que o nome tenha sido atribuído pelos primeiros colonizadores, que a confundiram com algum parente próximo piscívoro.

segunda-feira, 15 de junho de 2015

Marta Americana

Mais uma postagem da série "Martas com Estilo"...

Imagem retirada de "O Mundo dos Animais", Editora Nova Cultural

Classificação:
Filo: Cordados
Classe: Mamíferos
Ordem: Carnivora
Família: Mustelidae
Gênero: Martes
Espécie: Martes americana

A marta americana é encontrada na América do Norte, mais precisamente nos Estados Unidos e no Alasca. Seu habitat são as florestas.
É um animal noturno. Arborícola, possui fortes garras que faz com que seja uma ótima escaladora. É extremamente territorial. Defende ferozmente seu território de invasores. É um animal onívoro e oportunista. Alimenta-se  principalmente de pequenos mamíferos. Come também frutas, insetos e carniça.
A marta americana é solitária durante a maior parte do ano. A reprodução ocorre de junho a agosto. A fêmea só fica prenha por volta de fevereiro. A gestação dura de 220 a 275 dias. A fêmea dá a luz a 1 a  5 filhotes. As crias tornam-se adultas com cerca de um ano e meio. A longevidade é de cerca de 12 anos.
Já foi muito caçada por causa de sua pele, porém hoje em dia sua população se mantém estável. 

domingo, 14 de junho de 2015

Marta Japonesa

Mais uma postagem da série "Martas com Estilo".

Imagem retirada de "O Mundo dos Animais", Editora Nova Cultural

Classificação:
Filo: Cordados
Classe: Mamíferos
Ordem: Carnivora
Família: Mustelidae
Gênero: Martes
Espécie: Martes melampus

A marta japonesa é encontrada no Japão e na China. Seu habitat são as florestas e vales.
É um animal noturno, onívoro e oportunista. Alimenta-se  principalmente de pequenos mamíferos e aves. Come também frutas, insetos, peixes e rãs. 
Não há muitas informações disponíveis sobre expectativa de vida e reprodução. Entretanto, sabe-se que a marta japonesa se reproduz de março a maio e dá a luz aos filhotes entre julho e agosto. A prole é de 5 filhotes no máximo. Os filhotes são cuidados pela mãe até que se tornem independentes.
Felizmente, a marta japonesa não está ameaçada de extinção. No Japão é uma espécie protegida. Porém, caça ilegal e destruição do habitat são fatores que podem torná-la uma espécie em risco de extinção, num futuro próximo. 

Curiosidades:

  • Estudos genéticos sugerem que a marta japonesa é geneticamente aparentada com a zibelina